20 em 1 - Vergonha no Master System

20 em 1 é uma coletânea de 20 jogos originais desenvolvidos e publicados pela Tec Toy para o Master System. O cartucho era comercializado exclusivamente junto com uma determinada versão do console e nunca foi vendido fora do Brasil.

GAMESMASTER SYSTEM

Marcio Baião

20 em 1 master system tec toy
20 em 1 master system tec toy

20 em 1 foi um jogo produzido e publicado pela Tec Toy, originalmente comercializado com uma versão específica do Master System III compact, que ostentava em sua caixa a vantagem de já vir com 21 jogos, contando com os 20 deste cartucho, mais o Sonic na memória... Então, seu ano de lançamento deve ser considerado o da máquina com a qual ele foi vendido, que é o ano de 1995.

Bem, são 20 jogos... Mas o fato é que nenhum destes 20 jogos foi nomeado, sendo conhecidos apenas por seus números. E sinceramente, penso que a mesma falta de criatividade para nomes foi a tônica da construção destes jogos.

E vamos a eles, mas não se preocupe... Vai ser rápido, não há muito a se falar sobre os jogos.

No jogo 1, você é um operário de construção que tem que catar ferramentas caindo, usando um balde. E tudo que você pode fazer é ir para os lados.

No jogo 2, alguém teve a ideia genial de criar uma criatura lunar que precisa coletar pedaços de bolo e hambúrgueres, evitando obstáculos que podem diminuir sua pontuação. Aqui, a tela rola para a direita e para a esquerda, mas você pode direcionar para cima e para baixo.

No jogo 3, você controla um skatista que ganha pontos apenas continuando de pé, e perde pontos ao tocar nos obstáculos, pondo para trás você freia, e estando em movimento, você pode usar os direcionais cima e baixo.

No jogo 4, controla uma criatura completamente inexplicável, que simplesmente não enfrenta nenhum inimigos ou obstáculos, tudo que você pode fazer é andar para a direita e pular, com uma rolagem de tela digna de dar sono.

No jogo 5, os programadores tiveram um pouco menos de preguiça, e tem até um design legal. Aqui você controla um rato que pode se mover para os lados, e nossa, pode até pular, enquanto cata pedaços de queijo que caem diagonalmente.

No jogo 6, você está jogando o Jogo 1, só que com um mergulhador, e o acréscimo de um tubarão pra te tirar pontos.

No jogo 7, você controla um motociclista em uma visão aérea, em que usa o direcional pra acelerar, e pode ir para a direita ou à esquerda pra evitar os obstáculos, que convenhamos, são pouquíssimos.

No jogo 8, você dirige um carro que pode ser movido para qualquer direção ao redor da tela e ganha pontos apenas evitando os outros carros que surgirem.

No jogo 9, você controla o que aparentemente é um garoto branco de cabelos castanhos claros, que foi criado em uma reserva indígena, praticamente o Tarzan tupiniquim, e aqui você controla uma canoa em um rio. O objetivo é desviar de rochas, jacarés e flechas.

No jogo 10, você controla um helicóptero em visão aérea, e ganha pontos atirando com o botão 1 em um helicóptero adversário. Quando alguém é atingido fica paralisado por uns segundos, curiosamente este jogo permite movimento em qualquer direção. E é só.

No jogo 11, você controla um sapo na superfície de um lago, saltando entre três lírios apenas pressionando o direcional, cujo objetivo é comer insetos que caem do topo da tela. Apertando o botão 1 para usar a língua, sendo que você perde pontos se o inseto tocar em você. Por quê? Porque sim! Mas o que importa mesmo é saber o fornecedor de tóxicos desse sol aí, porque a coisa é da boa.

No jogo 12, você controla uma nave espacial que pode se mover para qualquer direção, e usa o botão 1 pra atirar em inimigos e obstáculos, mas você perde pontos ao ser atingido. E é isso.

No jogo 13, você controla um avião que pode acelerar e desacelerar nos direcionais, e dispara no botão 1, além de ter que desviar de aviões que aparecem em velocidade muito superior a sua pela tela, e em direções que fazem o tiro parecer inútil.

No jogo 14, você está jogando a mesma porcaria que o jogo 3, mas você é um patinador em vez de um skatista, mostrando que a cara de pau não tem limites.

No jogo 15, você é um padeiro e deve colocar dois biscoitos em um forno, sendo o botão 1 utilizado pra jogar um biscoito, mas aí ele salta de volta pra você e você o rebate com uma panela, no pong mais besta já criado.

No jogo 16, você simplesmente controla um pulverizador inseticida antropomórfico, que pensa ser um super-herói, é isso mesmo que você está lendo. E aqui você saltita para os lados com o direcional, e usa o botão 1 pra atacar os insetos.

No jogo 17, você controla um personagem que se move para a direita e pula com o direcional pra cima, enquanto ataca inimigos que vêm frontalmente com o botão 1, e é só isso.

No jogo 18, temos o clássico esquiador 8 bit, mas em um percurso muito curto, onde você controla o jogo segurando para baixo enquanto move para os lados.

Já no jogo 19, você está jogando o jogo 08 de novo, sim, isso mesmo, só que com um carro da polícia, e pequenas modificações.

E, finalmente, no jogo 20, temos mais um pong, só que com um cenário de tênis, que forma o squash mais deprimente e solitário já visto.

Na parte da jogabilidade, você já deve ter entendido que não há nenhum jogo que utilize toda a enorme gama de 2 botões do Master System, na verdade há os que nem usem botões. Mas como nem tudo é só defeitos, a música do jogo até funciona bem... Foi bem composta. Só que na parte da jogatina, ficamos com apenas uma música, que, apesar de não fazer feio, pode te enlouquecer em alguns minutos.

Mas vamos ver o que a própria Tec Toy fala sobre este seu trabalho... “20 em 1 já vem com 20 super jogos em apenas 1 cartucho. Agora você tem diversão garantida por muito mais tempo. São 20 divertidos jogos de divertidos estilos e categorias que irão proporcionar muitas horas de alegria e lazer”. Bom... Os jogos nem são divertidos, nem são lá realmente de tantos diferentes estilos e categorias. Sim... Compreendo que podemos argumentar que estes jogos foram feitos para crianças menores. Mas eles, com exceção do jogo da criatura inexplicável que não faz nada, são simplesmente não apenas cópias de si mesmos, como cópias descaradas de alguns jogos dos anos 70 e começo dos anos 80.

O que pode ser claramente percebido no fato de que os programadores da Tec Toy esqueceram completamente que o Master System tem 2 botões. E mesmo com a capacidade muito maior que a do Atari 2600, por exemplo, nenhum destes jogos apresenta a mínima complexidade de um título do velho Atari, apesar de se basear em alguns sucessos do sistema, e no highscore como elemento de fator replay.

Sendo que isso tudo em pleno 1995, o que só piora ainda mais a situação do jogo. Mano... Vocês sabem que eu jogo de tudo, mas esse cartucho chega a ser vergonhoso. Havia minigames de camelô em tela de cristal líquido, com mais carisma.

Veja mais: